Banner Yamaha
Dengue Mercedes julho
Núcleo Imobiliário
IPTU
Banner Dengue Pato Bragado
Entre Rios
FarmaVidda
Cotidiano

Cascavel: ‘Pai herói’ que salvou filho com transplante ganha casamento completo

Um casamento com todos os detalhes é o sonho de quase todo casal. Mas para Juliana Ludgero de Silva de Lima, de 22 anos, e Alan Junior Balduíno, de 24 anos, que vão celebrar sua união amanhã (6), o gosto é ainda mais especial. Eles celebram a vida do filho Bernardo, que completou um ano na semana passada, mas já passou por um transplante. O doador do fígado foi o próprio pai, Alan.

A família não teria condição de pagar pelo casamento. Eles moram no Bairro Claudete e foram o casal escolhido pela promoção “Enfim Casar”, entre mais de 20 casais que se inscreveram.

CGN conversou com Juliana para saber mais da história da família.

Superando uma doença rara

Juliana e Alan estão juntos há cinco anos. Eles se conheceram devido a amigos em comum e em pouco tempo foram morar juntos. Há um ano Deus lhes mandou Bernardo, que nasceu bem e forte. Com um mês de idade, no entanto, o bebê começou a apresentar amarelão na pele. A constatação foi preocupante: o fígado não estava funcionando.

Foram muitos médicos até se chegar ao diagnóstico, em Curitiba: o bebê, que estava com três meses, tinha uma doença rara, a atresia nas vias biliares. Ele nasceu sem os pequenos canais por onde passa o líquido produzido pelo fígado e foi encaminhado para uma cirurgia paliativa.

“O objetivo da cirurgia era evitar o transplante, mas voltamos a Cascavel e percebemos que a cirurgia não deu certo. Ele amarelava cada vez mais, estava com a barriga enorme e precisou ir para a UTI”, conta Juliana.

Foi então que o transplante mesmo para um bebê tão pequeno começou a ser planejado. Os testes apontaram que Alan era compatível. O pai estava em perfeita saúde e a cirurgia, tão delicada, foi feita pelo SUS no hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

O procedimento ocorreu em novembro e durou doze horas. Juliana foi alertada dos riscos tanto para o pai, quanto para o filho e ficou a maior parte do tempo sozinha durante o longo procedimento.

“Estas 12 horas foram as mais longas da minha vida. Nem a gravidez demorou tanto. Eu sempre digo que Deus me deu força. Com a cirurgia ocorrida em Curitiba ele me preparou para aguentar o que passei em São Paulo”.

Depois da cirurgia houve ainda mais um susto, pois nas primeiras horas o bebê apresentou hemorragia e precisou voltar para o Centro Cirúrgico. Enquanto isso, Alan, ainda se recuperando, não podia ser informado do que se passava.

Felizmente a partir daí as más notícias terminaram. Os 250 gramas de fígado tirado de Alan, o pai herói, salvaram o pequeno Bernardo. O bebê ainda recebeu uma veia de um doador anônimo. Depois de três meses em São Paulo veio a alta médica. Agora o menino segue fazendo acompanhamento médico, mas está bem, cada dia mais esperto e trazendo grandes alegrias para a família.

O sonho

Depois que Juliana e Alan foram morar juntos eles sempre conversaram sobre a vontade de celebrar o casamento. Mas, com uma renda de menos de R$ 2 mil, pagando aluguel e com os problemas de saúde, não seria possível casar tão cedo.

Foi Juliana que viu a promoção Enfim Casar e convenceu o marido, para que eles tentassem se inscrever. Eles gravaram um vídeo de 60 segundos contando resumidamente esta história. A escolha foi feita pelos fornecedores que participam da promoção e o anúncio feito em uma ‘live’.

“Estávamos assistindo e lembro que gritei muito quando falaram nossos nomes. As últimas semanas estão sendo maravilhosas pois estamos tendo tudo do nosso jeito e com os melhores profissionais de Cascavel”.

Vestido, dia de noiva, salão, buffet, bolo, decoração e até detalhes como noivinhos personalizados, carro para chegada e dança coreografada tornarão o dia de amanhã inesquecível.

Depois de tanta luta, a mensagem final que Juliana deixa é de agradecimento e conscientização.

“Eu só tenho a agradecer a todos que nos ajudaram durante o tratamento do Bernardo e Agradecer Katherine de Lara, idealizadora do Enfim Casar e todos os fornecedores”, diz.

A grande causa da vida da família se tornou incentivar a doação de órgãos.

“Convivi com muitas mães que não tinham na família uma pessoa compatível em condição de doar. Tem muitas crianças morrendo por falta de órgãos. Deus nos abençoou de ter nosso filho conosco graças a um transplante e nosso papel é levar a todos a importância de ser um doador”.

As imagens do grande dia serão divulgadas pelo Instagram e outros casamentos devem ser realizados a partir da mesma iniciativa.

 

TOPO