Dengue Pato
Bike Refran
Prefeitura de Mercedes
Ortocolchões
Sandras Publi
Família Acolhedora
Dengue antes
Casa da cuca
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Mãe de quíntuplos redobra cuidados e tenta manter rotina com crianças na quarentena

Oito meses após dar à luz quíntuplos, a moradora de Chopinzinho, no sudoeste do Paraná, Anieli Camargo Kurpel irá receber o carinho dos seis filhos no Dia das Mães, comemorado neste domingo (10). Além dos cinco bebês, Anieli tem um filho mais velho chamado Davi, de seis anos

Ela e o marido, Luis Fernando Araújo, descobriram que teriam cinco filhos de uma só vez em abril de 2019, após a suspeita de que Anieli estava com um tumor no útero.

As crianças nasceram prematuras em setembro do mesmo ano, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

Em meio a pandemia do novo coronavírus, os pais tiveram que redobrar os cuidados com as crianças, tentando manter a rotina em casa.

Anieli brinca que, na verdade, está de quarentena desde a gravidez. Os quíntuplos tiveram alta do hospital em novembro, quase três meses após o nascimento. Mesmo com o retorno para Chopinzinho, a família tem se mantido em casa.

“Eles são do grupo de risco, são prematuros extremos. Os pulmõezinhos deles são bem fraquinhos, então, estamos tomando bastante cuidado”, disse.
A família também parou de receber visitas, com exceção da mãe da Anieli, que a ajuda com as tarefas domésticas em alguns dias da semana. No entanto, o pai dos bebês continua precisando sair para o trabalho.

“O Luis chega e já toma banho antes de chegar perto da gente. A gente também não sai. Com quarentena, a médica dos bebês também não veio mais em casa, mas a gente conversa toda semana. Ela é bem presente”, contou.

Atividades

Enquanto o marido sai para trabalhar, a mãe cuida dos seis filhos em casa. Anieli conta que, além da ajuda da avó das crianças, o filho mais velho também tem contribuído.

“Nossa rotina acabou mudando bastante, e o Davi me surpreendeu muito. Eu tinha uma preocupação de ele ficar com ciúmes. Mas ele adora brincar com os bebês, gosta de fingir que é o professor das crianças.”
Como Davi está sem aulas por causa da pandemia, os pais estão produzindo atividades escolares para que o menino continue estudando. Anieli também tem inventado brincadeiras para que o filho gaste as energias.

“A gente brinca muito no pátio, eu coloco os carrinhos dos bebês ali fora e a gente joga bola. Ele também pinta o banheiro com tinta guache. Fazemos várias coisas, porque ficamos só dentro de casa”, disse.

Influencer

Luis Henrique, Jhordan, Thiago, Antonella e Laura foram os nomes escolhidos para os quíntuplos ainda durante a gravidez. O anúncio da escolha, inclusive, foi compartilhado em uma rede social criada para os bebês.

Na conta, o casal Anieli e Luis Fernando compartilharam a gestação e, agora, continuam postando a rotina dos filhos. São mais de 186 mil seguidores que acompanham as publicações.

A projeção nacional que a história ganhou fez com que o casal se tornasse influenciador digital.

No entanto, durante o período de pandemia, Anieli diz ter recebido várias mensagens de pais reclamando sobre o excesso de tempo que têm ficado com os filhos em casa.

“Esses dias eu dei um puxão de orelhas, porque ainda bem que essas crianças estão em casa, bem, correndo. Imagina se eles estivessem doentes? Sempre falo para eles agradecerem, porque muitas mãezinhas não podem abraçar seus filhos, ou até mesmo não ter filhos”, afirmou.
Resgatar o elo
Ter uma ou seis crianças em casa, como é o caso dos pais dos quíntuplos, demanda tempo, criatividade e disposição dos responsáveis por eles.

Segundo a psicopedagoga Gabriela Costa Amaral Ribeiro, a quarentena tem exigido muitos dos pais, mas,, ao mesmo tempo, deve ser vista como um momento importante para olhar para a família e ver possibilidades de aproveitar esse período como algo positivo.

“É um momento para resgatar esse elo, porque está tudo terceirizado. A criança esqueceu o que é brincar e ler uma historinha com os pais. A gente se deparou com essa nova era acelerada, por isso é preciso olhar e repensar as ações em família.

Com informacoes do G1

TOPO