Bike Refran
Prefeitura de Mercedes
Ortocolchões
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Primeiro paranaense a receber transplante de pulmão recebe alta

Primeiro paranaense a receber transplante de pulmão recebe alta

Procedimento foi realizado com sucesso em 17 de dezembro pelo Serviço de Transplantes do Hospital Angelina Caron. Reinaldo de Goes é da Lapa e tem 57 anos

O pedreiro Reinaldo Ferreira de Goes, de 57 anos, natural da Lapa, não imaginava que entraria para a história da medicina paranaense no dia 17 de dezembro, quando foi realizado o primeiro transplante de pulmão no Estado, pelo Serviço de Transplantes de Órgãos do Hospital Angelina Caron (HAC). Nesta terça-feira (7), o paciente recebeu alta do médico cirurgião Frederico Barth, responsável técnico do Serviço de Transplante Pulmonar do HAC, acompanhado do médico fundador do hospital, Marco Caron.

“O Reinaldo se recuperou muito bem e já está apto a sair do hospital. Ainda não volta para a Lapa, vai permanecer na casa de parentes na região metropolitana, pois precisa fazer o acompanhamento conosco nas próximas semanas. Mas logo já estará em casa”, detalha Barth.

Operação integrada

Em uma operação integrada que envolveu a Divisão de Transporte Aéreo da Casa Militar e GOA/PCPR (Grupamento de Operações Aéreas da Polícia Civil do Estado do Paraná) , o órgão foi transportado de helicóptero de Foz do Iguaçu até o HAC, em Campina Grande do Sul, e implantado com êxito em Reinaldo de Goes, um dos dez pacientes que aguardava na fila de espera de um órgão em condições adequadas para o procedimento.

Reinaldo é pedreiro de profissão, mas estava há dois anos sem trabalhar, pois necessitava de oxigênio. “Ele teve um enfisema pulmonar que desencadeou esse quadro mais grave de dificuldade de respirar. Tenho cuidado do Reinaldo desde então. A gente estava na fila e colocou na mão de Deus. Foi uma surpresa quando nos ligaram e viemos da Lapa até o hospital”, conta Valdelice Goes, esposa de Reinaldo. O casal é da Lapa, tem quatro filhos e está junto há 27 anos.
Dois anos de espera

“Há dois anos nós obtivemos o credenciamento do Ministério da Saúde para esse tipo de transplante, e desde então passamos por vários processos para que hospital e equipe estivessem aptos. Isso incluiu a preparação dos pacientes para a cirurgia. O processo é complexo e tem algumas particularidades fundamentais para a recuperação pós-cirúrgica. Além da compatibilidade sanguínea, os pulmões doados devem estar sem sinais de infecção ou indícios de lesões por trauma”, pontua Barth.

Ainda de acordo com o cirurgião, os pulmões devem ser compatíveis em tamanho com o receptor. “São detalhes fundamentais que apontam para a importância da conscientização em prol da doação de órgãos no Brasil. Todo cidadão que deseja ser um doador deve comunicar sua intenção à família”, enfatiza.

Reinaldo de Goes com Marco Caron, diretor do Hospital Angelina Caron, e Frederico Barth, cirurgião responsável. Crédito: Divulgação Hospital Angelina Caron

 

TOPO