Bike Refran
Ortocolchões
Sandras Publi
Casa da cuca
JR color
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Senadores querem adiar votação de projeto que aumenta validade da CNH

Está na pauta de votação do Plenário, para esta terça-feira (18), o projeto que amplia para 10 anos a validade da carteira de motorista (PL 3.267/2019). De iniciativa do Poder Executivo, a proposta foi aprovada na Câmara dos Deputados no final de junho e é relatada no Senado pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI). Já são mais de 100 emendas apresentadas pelos senadores.

A votação da proposta de forma remota, no entanto, não encontra consenso entre os senadores. Para Rogério Carvalho (PT-SE), o Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503, de 1997) tem um sido um grande aliado na tarefa de salvar vidas. Ele disse lamentar o fato de o presidente Jair Bolsonaro já ter demonstrado que “não tem apreço à vida”, daí a insistência em reformar leis de trânsito em sessão remota, “sem um debate profundo em matéria tão relevante que interfere direto na vida de todas as famílias brasileiras”.

— A nossa proposta é fazer o debate e a votação presencialmente, no retorno das atividades pós-pandemia — afirmou.

Fabiano Contarato (Rede-ES) foi ao Twitter afirmar que o projeto é um retrocesso na legislação de trânsito. Ele também quer adiar a votação. Para o senador, aprovar a matéria é apoiar a impunidade no trânsito. “Não se pode aprovar projeto que dobra tempo de validade da CNH e aumenta o limite de pontuação para o motorista infrator ter carteira suspensa”.

Para Contarato, o Brasil precisa, sim, “de educar sobre o trânsito, mas não como forma de burlar as leis e cometer mais infrações”. Ele afirma que defender um trânsito seguro é defender a vida humana. “Pelo projeto, um motorista profissional que alcançar 39 pontos poderá fazer um curso de reciclagem e voltar a sua contagem do início. Isso quer dizer que esse motorista terá o dobro de pontos até ter a sua CNH suspensa”, alertou o senador.

Alterações

O projeto altera o CTB para estabelecer, entre outras mudanças, que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) passará a ter validade de dez anos para condutores com até 50 anos de idade. Hoje, a regra geral é de cinco anos de validade. A proposta também estabelece cinco anos para condutores com idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 70 anos de idade; e três anos para condutores com 70 anos de idade ou mais.

O texto determina ainda que os exames de aptidão física e mental sejam realizados por médicos e psicólogos peritos examinadores, com a titulação de especialista em medicina do tráfego ou em psicologia de trânsito, respectivamente. O projeto também faz alterações em regras para o uso da cadeirinha ou do assento de elevação, acrescentando a altura de 1,45 m ao limite de 10 anos de idade. Há, ainda, regras mais brandas para a retenção da carteira e para exames toxicológicos.

Foto: Pedro França/ Agência Senado

Informações Assessoria do Senado Federal.

TOPO