Setembro
Agosto Azul
Nucleo
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Setembro Verde vai homenagear doadores de órgãos no Paraná

A Secretaria da Saúde do Paraná, junto ao SET-PR (Sistema Estadual de Transplantes), celebra o Setembro Verde com homenagens aos doadores de órgãos. A campanha “Doação de órgãos. Fale sobre isso!” é uma ação que pretende mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da questão. Atualmente, mais de 2.000 paranaenses aguardam por uma doação.

“A doação de órgãos é um ato de amor ao próximo. Muitas vezes uma família passa pela perda de um ente querido, mas, ao mesmo tempo, o gesto de doar garante que uma outra vida seja salva. Por isso, é importante que as pessoas falem sobre o assunto e possam compreender sua importância”, afirmou o secretário da Saúde, Beto Preto.

O SET-PR registrou neste ano, o menor índice de recusas familiares em entrevistas para doação de órgãos no país, com apenas 24% das famílias entrevistadas se recusando a realizar a doação. O Paraná também é o primeiro Estado a concluir e aprovar um Plano Estadual de Doações e Transplantes, estruturando o planejamento de ações até 2022 e servindo de exemplo para os Brasil.

O Paraná encerrou o ano de 2018 em primeiro lugar no ranking de doações de órgãos no Brasil, com 47,7 doações pmp (por milhão de população). A média nacional foi de 17,7 pmp. Até o fechamento do primeiro semestre de 2019 o Estado continuou liderando a lista de Estados que possuem maior número de doações, com 41,1 pmp. O Paraná também liderou o ranking de transplante de órgãos em 2017 e 2018, com 81,5 e 90,9 pmp respectivamente.

Além do Setembro Verde comemorado internacionalmente em homenagem ao doador, a Lei Estadual 18.803/2016 instituiu o Setembro Vermelho como sendo o mês dedicado a ações de esclarecimento e incentivo à doação de órgãos e tecidos no Paraná.

“Cada pessoa possui cinco vezes mais chances de precisar de um órgão, do que de conseguir um doador, o que caracteriza a necessidade constante de mais doadores”, disse a coordenadora do SET-PR, Arlene Terezinha Cagol Garcia Badoch. “Neste mês, 67 hospitais que possuem coordenações intra hospitalares de doações de órgãos estão desenvolvendo campanhas junto à sociedade local, incentivando a população a se conscientizar para continuarmos fazendo a diferença”, afirmou ela.

No domingo (15), haverá uma apresentação da Orquestra Sinfônica do Paraná no Teatro Guaira, em homenagem aos doadores de órgãos. Para o evento serão disponibilizados vários ingressos para distribuição aos pacientes transplantados, familiares de doadores de órgãos e pessoas que trabalham no processo de doação.

SAIBA COMO DOAR
Como ser doador? É bem simples: avise a sua família. Seus órgãos só poderão ser doados com autorização dos seus parentes mais próximos.

Quem pode doar? Qualquer pessoa, após a confirmação da morte e mediante autorização da família.

Quais órgãos podem ser doados? Coração, rins, pâncreas, pulmões, fígado e também tecidos, como: córneas, pele, ossos, valvas cardíacas e tendões. Ou seja, um doador pode ajudar muitas pessoas.

Doador falecido? Pacientes que foram diagnosticados em morte encefálica, o que ocorre normalmente em decorrência de traumas/doenças neurológicas graves, podem ser doadores de órgãos e tecidos. Nos casos em que o falecimento decorre de parada cardiorrespiratória, podem ser doados tecidos.

Doador vivo? Qualquer pessoa saudável pode ser doadora em vida de um dos seus rins ou parte do fígado para um familiar próximo – até quarto grau consanguíneo -, porém quando a doação de um rim ou parte do fígado for para uma pessoa não aparentada é necessário autorização judicial;

Quem recebe os órgãos? Os órgãos doados são destinados a pacientes que necessitam de transplante e estão aguardando em uma lista única de espera. Esta lista é fiscalizada pelo Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde e pelas Centrais Estaduais de Transplantes. A seleção de um paciente que aguarda por um transplante, ocorre com base na gravidade de sua doença, tempo de espera em lista, tipo sanguíneo, compatibilidade anatômica com o órgão doado e outras informações médicas importantes. Todo o processo de seleção dos potenciais receptores é seguro, justo e transparente.

Foto: Gustavo Pontes

AEN-PR

TOPO