Bike Refran
Ortocolchões
Sandras Publi
Casa da cuca
JR color
Banner Yamaha
FarmaVidda
Policial

Violência e brutalidade: morte de mãe e filha completa um ano, em Cascavel

Em 11 de setembro completa um ano do assassinato da mãe e filha, em uma quitinete aos fundos de um restaurante no Bairro Parque São Paulo, em Cascavel.

Vítimas de um crime cruel, Silvia Caroline França de 25 anos e a filha, Ana Lis França de 10 meses, foram encontradas mortas na tarde de 11 de setembro de 2019, em um imóvel de fundos de pouco mais de 20 metros quadrados, na Avenida Carlos Gomes.A mulher, que era namorada do acusado, foi assassinada com requintes de crueldade. A vítima estava caída no banheiro da casa com rosto desfigurado e com vários ferimentos pelo corpo. Em depoimento, o rapaz contou que atingiu um vaso sanitário na vítima durante discussão, mas diz não ter provocado nenhum ferimento na mulher, com a faca encontrada próxima ao corpo.

A bebê de 10 meses, que não era filha do rapaz, estava morta em berço pequeno, no único quarto que tinha na casa. A menina não tinha sinais de esganadura, cortes e os exames também não apontaram a ingestão de medicamentos que pudessem ter provocado a morte. O acusado negou ter envolvimento com a morte do bebê.

A quitinete onde o crime aconteceu expôs à violência e a brutalidade como as mortes ocorreram. Mostrou também, na época, a recente mudança do casal para o local. Segundo vizinhos, o suspeito, a mulher e a criança teriam se mudado na semana que antecedeu o crime. No banheiro, cômodo em que o corpo de Silvia foi encontrado, estava com marcas de sangue espalhadas no chão e na parede. Além disso, objetos também foram quebrados, indicando uma possível luta corporal entre a vítima e o autor do crime.

O acusado foi preso horas depois do crime, prestou depoimento sobre como as mortes ocorreram. Friamente ele relatou em depoimento que chegou a tomar banho no banheiro em que Silvia estava caída e morta (depoimento completo do acusado abaixo).

Preso fora de Cascavel, por questões de segurança, o acusado responde pela morte de Silvia por homicídio qualificado e pode pegar até 30 anos de prisão. O processo está em andamento e pode ir a júri popular

Com informacoes da catve
TOPO