Setembro
Núcleo 09
Dengue Pato
Bike Refran
Maquininhas
Prefeitura de Entre Rios do Oeste
Nucleo
Banner Yamaha
FarmaVidda
Política

Após “vitória” no STF, defesa de Lula entrará com pedido de soltura

Show

Após o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubar a prisão após a condenação em segunda instância, a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva estuda ingressar com um pedido de soltura imediato do ex-presidente, que está preso da superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde 7 de abril de 2018.

A votação da ADC (ação declaratória de constitucionalidade) estava empatada por 5 a 5 e o voto decisivo foi dado pelo ministro Dias Toffoli, presidente da Corte. Com a decisão, o STF retorna ao entendimento de que um réu só pode cumprir pena depois que esgotar os recursos na Justiça, vetando a prisão após segunda instância.

Em nota assinada pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska T. Martins, a defesa de Lula afirmou que entrará com um pedido de soltura após conversar com o ex-presidente da sexta-feira (8). A nota da defesa destacou que Lula está “injustamente e de forma incompatível com a lei e com a Constituição da República”.

“Após conversa com Lula nesta sexta-feira levaremos ao juízo da execução um pedido para que haja sua imediata soltura com base no resultado desse julgamento do STF, além de reiterarmos o pedido para que a Suprema Corte julgue os habeas corpus que objetivam a declaração da nulidade de todo o processo que o levou à prisão em virtude da suspeição do ex-juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato, dentre inúmeras outras ilegalidades”.

Ainda de acordo com a nota da defesa, “Lula não praticou qualquer ato ilícito e é vítima de lawfare [termo jurídico para referir-se ao uso indevido dos recursos jurídicos para fins de perseguição política], que, no caso do ex-presidente, consiste no uso estratégico do Direito para fins de perseguição política”.

LAVA JATO
Após a decisão do STF, o que possibilita a soltura do ex-presidente Lula, a força-tarefa da Operação Lava Jato, do MPF (Ministério Público Federal), em Curitiba, também se pronunciou. Os procuradores pregam respeito pela decisão do STF, exaltam os ministros que tiveram o voto vencido e voltam a exaltar o “combate à corrupção”.

Leia abaixo a nota na íntegra:

“A decisão do Supremo deve ser respeitada, mas como todo ato judicial pode ser objeto de debate e discussão. Para além dos sólidos argumentos expostos pelos cinco ministros vencidos na tese, a decisão de reversão da possibilidade de prisão em segunda instância está em dissonância com o sentimento de repúdio à impunidade e com o combate à corrupção, prioridades do país.

A existência de quatro instâncias de julgamento, peculiar ao Brasil, associada ao número excessivo de recursos que chegam a superar uma centena em alguns casos criminais, resulta em demora e prescrição, acarretando impunidade. Reconhecendo que a decisão impactará os resultados de seu trabalho, a força-tarefa expressa seu compromisso de seguir buscando justiça nos casos em que atua”.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com informação da Catve

 

TOPO