Dengue Pato
Bike Refran
Prefeitura de Mercedes
Ortocolchões
Sandras Publi
Família Acolhedora
Dengue antes
Casa da cuca
IPTU
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Casos de raiva fazem Adapar reforçar necessidade de vacinação do rebanho

Novos casos de raiva em bovinos identificados no Paraná fizeram com que a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) emitisse um comunicado em que reitera aos pecuaristas a necessidade da vacinação do rebanho. Causada por um vírus transmitido, principalmente, pela mordida de morcegos hematófagos (da espécie Desmodus rotundus), a raiva é uma doença incurável que ataca o sistema nervoso dos animais, levando-os à morte. A doença é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida a seres humanos.

Conforme a Adapar, a necessidade de prevenção se torna ainda maior durante o período de pandemia do novo coronavírus. Sempre que um caso de raiva é identificado, técnicos da agência se deslocam à propriedade rural para a coleta de material para análise em laboratório, além de tentar identificar pontos de refúgio do morcego. Além disso, os agentes visitam propriedades localizadas a um raio de 12 quilômetros do foco da doença, alertando e orientando os pecuaristas. Com os protocolos de distanciamento social deflagrados em razão da Covid-19, no entanto, essas ações se tornaram inadequadas.

“Por causa da pandemia, temos encontrado dificuldade de fazer as atividades perifocais, mais de linha de frente. Então, o ideal, neste instante, é que o produtor rural vacine seu rebanho”, diz Ricardo Vieira, coordenador do programa de vigilância e prevenção da raiva da Adapar.

Para isso, a Adapar tem entrado em contato com os sindicatos rurais, para que estes divulguem entre seus associados a necessidade de vacinação do rebanho. Essa ação de conscientização e de informação tem apoio do Sistema FAEP/SENAR-PR.

Neste ano, já foram identificados 35 de casos de raiva do Paraná. Segundo a Adapar, o principal foco é o município de Palmeira, nos Campos Gerais, onde foi confirmada uma dezena de casos.

As reses devem ser vacinadas anualmente. Os animais novos, com idade superior a três meses, também precisar ser imunizados e receber um reforço da vacina 30 dias após a primeira aplicação. Vieira destaca que a vacina é a principal forma de manter o rebanho imune à doença e que tem um baixo custo. A Adapar lembra que o grau de letalidade da raiva é de 100%, ou seja, todos os animais infectados morrem em pouco tempo.

?Antes, o pecuarista vacinava contra a raiva junto com a imunização contra a febre aftosa. Como o Paraná já não precisa vacinar contra a aftosa, é preciso reforçar essa necessidade de aplicar a dose contra a raiva?, aponta Vieira. ?A vacina custa em torno de R$ 0,50. É muito barato em comparação a um boi gordo, que gira em torno de R$ 2 mil?, acrescenta.

A Adapar também reitera que a vacinação contra a raiva deve ocorrer todos os anos, pois a imunização é a melhor forma de proteger o rebanho. ?O que acontece é que muitos produtores param de vacinar, porque acham que não está dando a doença. Mas é o contrário: não estava dando a doença justamente porque se estava vacinando?, diz Vieira.

A raiva
A doença pode infectar não só bovinos e equinos, mas a todos os animais mamíferos. O vírus também pode ser repassado por arranhões e lambidas dos bichos contaminados.

Entre as orientações da Adapar, estão o isolamento imediato do animal sob suspeita. O pecuarista deve estar atento ao comportamento do rebanho, principalmente em casos de reses que apresentem andar cambaleante e queda, salivação excessiva e engasgos ? sintomas mais evidentes de contágio de raiva. Em todos esses casos, a Adapar deve ser informada pelo produtor imediatamente.

TOPO