Dengue Pato
Bike Refran
Prefeitura de Mercedes
Ortocolchões
Sandras Publi
Família Acolhedora
Dengue antes
Casa da cuca
IPTU
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Governo do Paraná desmente lockdown, mas estuda medidas mais restritivas

O governo do Paraná estuda novas medidas mais restritivas para conter o coronavírus no Estado. O anúncio deve ocorrer até esta terça-feira (30)  e podem valer para todo Estado.  Porém, a mais drástica delas – o ‘lockdown estadual’ – que é a paralisação completa das atividades não essenciais, não será adotada, de acordo com uma nota de esclarecimento divulgada na noite desta segunda feira (29).

Diz a nota: “O Governo do Paraná informa que está elaborando uma série de medidas para conter o avanço da Covid-19. As medidas estão sendo discutidas em diversas instâncias do Executivo e serão apresentadas aos demais poderes do Estado. A previsão é de que haja ampla divulgação das decisões nesta terça-feira (30). O Governo do Estado antecipa que, diferente do que foi noticiado, não se trata de impor um ‘lockdown’ em todo o Paraná.”

A decisão pode ser uma resposta a uma ação ajuizada hoje pelo Ministério Público (MP-PR)  contra o governo pedindo que a Justiça determine ‘lockdown’ por 15 dias no Paraná. “Senão em todas as regiões do Estado do Paraná, ao menos em suas macrorregiões Leste e Oeste”, lê-se na ação.

A justificativa é a situação da pandemia de coronavírus no estado, classificada como “gravíssima” pelos quatro promotores de Saúde Pública que assinam conjuntamente a ação: Marcelo Maggio, Angelo Santana Ferreira, Michele Nader, e Susana de Lacerda. Eles representam, respectivamente, as regiões Leste, Oeste, Noroeste e Norte do Paraná.

O juiz substituto da 4ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, Eduardo Lourenço Bana, concedeu 72 horas de prazo para que o governo se manifeste sobre a petição.

Em nota durante a tarde, o governo já tinha reafirmado que mantém as recomendações sobre a importância do distanciamento e isolamento social para evitar a disseminação do novo coronavírus. “Tal orientação tem sido seguidamente defendida pelas autoridades estaduais, desde o início da pandemia da Covid-19”.

Com informação AEN e Tarobá News

TOPO