Setembro
Agosto Azul
Nucleo
Banner Yamaha
FarmaVidda
Cotidiano

Professora usa tecnologia em sala para ensinar irmãs haitianas

Em abril, quando entrou na sala de aula de sua turma do 1º ano do Ensino Médio, a professora de Língua Portuguesa Karina da Cruz teve uma surpresa: três irmãs haitianas recém-matriculadas, que não entendiam uma única palavra de português, precisavam aprender. Foi diante dessa necessidade imediata que a professora do Colégio Estadual Professora Edimar Wright, em Almirante Tamandaré, teve a ideia de recorrer à tecnologia para ajudar as novas estudantes.

Até então, as irmãs Floranta, Marie Florence e Marie Sophie Noel, há pouco tempo no Brasil, dominavam apenas a língua crioula haitiana. Elas dependiam do irmão mais novo, o Jean, de 10 anos, que fazia o papel de intérprete, para qualquer tipo de interação verbal. Porém, quando ele não estava ficavam praticamente incomunicáveis.

Karina conta que as irmãs apenas copiavam o conteúdo em sala, mas não conseguiam absorvê-lo por não terem domínio da língua portuguesa.

SOLUÇÃO – Para estabelecer um diálogo mínimo, a professora cedeu o próprio aparelho celular para que auxiliá-las a compreender o que estava sendo falado com o uso de uma ferramenta online de tradução.

“Eu coloquei para traduzir do português para o haitiano, que tem uma semelhança com o francês. Falei que estava muito feliz por tê-las ali na escola e que elas eram muito bem-vindas. Elas entenderam perfeitamente e sorriram. Foi a primeira vez que vi um sorriso no rosto delas”, lembra a professora.

A ideia deu tão certo que a coordenação do colégio cedeu um notebook para cada uma das alunas. Para melhorar o rendimento escolar, a turma foi transferida de uma sala comum para um espaço com internet wi-fi. A mudança possibilitou às três estudantes acompanharem o restante do grupo com mais facilidade, aprenderem o conteúdo e não apenas copiarem a matéria.

Antes da chegada das novas colegas, a coordenação do colégio fez uma adaptação com os outros alunos. Mesmo assim, a conversação não era simples. Agora, quando querem dialogar, os outros estudantes usam o mesmo método da professora e já não dependem exclusivamente do irmão intérprete.

De acordo com a docente, o avanço no aprendizado é significativo. A melhoram na disciplina de português foi de aproximadamente 50% e nas demais disciplinas também é possível perceber a evolução de conhecimento.

“Hoje elas não são apenas copistas. Toda terça-feira eu dou uma hora de reforço para elas, que já começaram a conversar sobre outros assuntos e a compreender boa parte do que eu falo. Elas melhoraram não só na disciplina que eu ensino, mas em todas as outras”, destacou Karina.

TOPO