Policial Marechal

Justiça de Marechal Rondon libera um dos presos no caso da empresária Edna Storari, Promotor Caio fala sobre o caso em entrevista ao Site Marechal News

A determinação do juiz criminal já foi comunicada ao DEPEN e tão logo a tornozeleira eletrônica seja instalada, Luan Rafael Ferreira de Lima foi liberado da prisão.

15/01/2022 01h59 Atualizada há 7 dias
Por: Marcio Cerny Fonte: Marechal News com informação da Rádio Difusora
Fotos: Marcio Cerny / Marechal News
Fotos: Marcio Cerny / Marechal News

Através do advogado de defesa Antonio Marcos de Aguiar, Luan Rafael Ferreira de Lima, denunciado no caso da empresária desaparecida Edna Storari, entrou com  pedido de  revogação de sua prisão  e vai ser liberado da cadeia.

Consta, dos autos principais, que a autoridade policial judiciária instaurou inquérito policial, objetivando a elucidação de um possível crime de feminicídio, cuja  vítima seria Edna Storari.

As investigações neste sentido  começaram em 27 de setembro de 2021, quando a filha da vítima, Pollyana Storari Farias, compareceu à Delegacia de Polícia, para comunicar o desaparecimento da mãe.

As investigações iniciais apontaram que Luís Carlos Mendes Rissato, então companheiro da vítima, teria praticado o crime de feminicídio e ocultado o cadáver de Edna, além de estar destruindo provas e intervindo nas investigações, razão pela qual, em 06 de outubro de 2021, foi decretada a sua prisão temporária e em 30 de novembro de 2021 transformada em preventiva, assim como dos  filhos, Guilherme Henrique Rissato, Amábile Carla Vieira Rissato e  Luan Rafael Ferreira de Lima, marido de Amábile.

O ministério público após receber o inquérito policial denunciou e enquadrou todos no crime de feminicidio.

No caso específico de Luan Rafael Ferreira de Lima, o  Ministério Público imputou a ele  somente a prática do crime capitulado no art. 347, parágrafo único, do Código Penal, que prevê uma pena de 06 ) meses à 04  anos de detenção.

 Luan é primário, possui emprego e residência fixa  e, conforme documento anexado  no processo utiliza medicamentos para o tratamento de asma, sendo que, embora não conste nos autos indicação sobre o seu estado de saúde e provas de que ele demande cuidados impossíveis de lhe serem propiciados no estabelecimento prisional, é certo que as condições da Cadeia Pública poderão agravar a doença.

         Considerando esses e outros fatores e em resposta ao pedido apresentado pela defesa, o Juiz Substituto, Dionísio Lobchenko Junior, determinou a substituição da   prisão preventiva de Luan Rafael Ferreira de Lima pela medida cautelar de monitoração eletrônica, devendo o réu diariamente, se recolher à sua residência, impreterivelmente às 19 horas, permanecendo ali até às 06 horas do dia seguinte, para o repouso noturno, bem como, ininterruptamente, aos finais de semana e feriados.

Luan deverá  apresentar, por ocasião de implantação do equipamento de monitoração eletrônica, endereço completo, com indicações precisas do local onde reside, os respectivos telefones para contato imediato, não podendo de lá se afastar ou mesmo mudar  sem prévia autorização judicial.

Ele deverá  fazer uso de equipamento de monitoração eletrônica, que permita  a contínua vigilância telemática posicional à distância, através de uma tornozeleira eletrônica que é fornecida pelo DEPEN/SEJU .

A  determinação do juiz criminal já foi comunicada ao DEPEN e tão logo a tornozeleira eletrônica seja instalada, Luan Rafael Ferreira de Lima foi  liberado da prisão.

A Equipe do Site Marechal News entrevistou no final da tarde de sexta-feira (14), o Promotor Caio que falou detalhes deste caso.

 Veja abaixo a live.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.