Policial Marechal

Empresário é preso pela Policia após colidir veículo contra muro de residência em Marechal Rondon

Ao ser questionado sobre a realização do teste, o autor ficou alterado dizendo que os policiais estavam errados e iriam se fuder.

13/09/2021 03h04 Atualizada há 1 semana
Por: Marcio Cerny Fonte: Marechal News
Foto: Marcio Cerny/ Marechal News
Foto: Marcio Cerny/ Marechal News

Por volta das 10h40 de domingo (12),  uma Equipe Policial  foi acionada pela central 190 informando que o condutor de um veículo após colidir em um muro de uma residência, em Marechal Cândido Rondon,  estaria no local agressivo realizando ameaças e tentativa de agressão a um morador vizinho do acidente.

Na chegada da equipe policial ao local da ocorrência, localizou um homem com cerca de 49 anos, que é empresário de Marechal, visivelmente embriagado, que gritava com um morador palavras de "sai pra fora que eu vou te pegar".

A equipe policial pediu pra que se acalmasse e o autor disse aos policiais "vocês não tem nada que estar aqui", e, "aqui já foi resolvido". Nesse momento foi informado que se acalmasse pois iríamos verificar os fatos e dar andamento na ocorrência.

Foi solicitado ao morador, que estava do lado de dentro da residência o que havia ocorrido o este informou que estava no interior do imóvel quando escutou um barulho e ao sair visualizou que autor havia colidido o veículo Fiat/Strada no muro da residência ao lado.

Relata ainda que quando o autor o viu começou a ameaçalo dizendo que iria pega-lo, dizendo que iria matar o solicitante e sua família, e batia na grade e tentava arrombar o portão para adentrar a residência.

A equipe policial no momento em que conduzia a ocorrência teve que pedir várias vezes para o autor, que estava visivelmente embriagado, a se acalmar, inclusive teve que pedir por 3 vezes pra ele se afastar do solicitante e parar de lhe ofender.

Questionado sobre o acidente de trânsito, o autor relatou apenas que estava indo para casa.

Diante dos fatos,  foi oferecido ao senhor o exame do etilometro, sendo que de imediato informou que não faria, então foi dado voz de prisão pelo art. 306 do ctb e informado que a ocorrência iria ser conduzida a autoridade policial na delegacia de policia, momento que o autor disse que não iria e ainda tentou acessar seu veículo para ir embora sendo impedido pela equipe policial.

Enquanto aguardava a chegada do guincho para recolhimento do veículo envolvido no acidente o senhor autor tentou novamente fugir, foi informado que se ele não colaborasse com a equipe policial teria que ser necessário utilizar-se de algemas para conter as tentativas de fuga dele, nesse momento o autor disse "ninguém coloca a mão em mim", "eu não vou pra delegacia porcaria nenhuma", "eu vou pra minha casa porque sou empresário e ninguém vai colocar a mão em mim".

Foi solicitado para que o senhor aguardasse, fato esse que não atendido, foi então determinado que ele aguardasse nas proximidades da viatura e novamente outra negativa, então o autor tentou correr da equipe, nesse momento foi então tentado fazer o uso de algemas não sendo possível por que começou a se debater impedindo que a equipe policial colocasse a algema nele.

O senhor puxou os braços e empurrou e equipe causando um desequilíbrio vindo os 3 cair ao chão (o autor e os 2 policiais), somente no chão foi possível colocar as algemas.

O autor foi conduzido algemado para o camburão da viatura e quando ele sentou na camburão ainda chutou o peito de um dos policiais da equipe. Nesse momento que chegou a esposa do autor, que a todo momento tentou perturbar e impedir que o autor fosse conduzido a delegacia, a esposa que não foi qualificada gritava que a equipe não levaria seu marido, foi então pedido para mesma se afastar e caso quisesse poderia verificar o procedimento mas jamais interferir no mesmo, em certo momento a senhora pulou sobre os braços do policial para tentar soltar o marido, foi informado que ela também seria conduzida a delegacia, nesse momento ela deixou o local.

O autor estava algemado no camburão da viatura e informou que iria colaborar e não mais resistir, foi então tiradas as algemas.

O possivel empresário, foi conduzido a 47ª drp e oferecido novamente a ele a oportunidade de realizar o teste do etilômetro (bafômetro) que novamente foi recusado.

Ao ser questionado sobre a realização do teste,  o autor ficou alterado dizendo que os policiais estavam errados e iriam se fuder.

Foi então confeccionado o auto de constatação e entregue junto a carceragem da 47ª da Cadeia Pública do Depen em Marechal Cândido Rondon.

A qualquer momento mais informação.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.