Geral Paraná

Tarifa de energia de Itaipu deve ser reduzida já em 2022, afirma diretor-geral

Eventual redução da tarifa não vai interferir na continuidade das obras, diz o general

14/10/2021 18h27
Por: Marcio Cerny Fonte: Catve
Catve
Catve
O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, reafirmou que a redução da tarifa da energia produzida pela binacional deve ocorrer já a partir de 2022, quando a dívida da construção estará praticamente sanada. Ele participou de uma coletiva de imprensa, na manhã desta quinta-feira (14), em Foz do Iguaçu (PR).

Ferreira fez um balanço dos primeiros meses à frente da Diretoria Geral Brasileira da empresa.

"Grande parte do preço de nossa energia contém os juros e as amortizações que pagamos ano a ano aos nossos credores e, em 2022, essa dívida vai praticamente desaparecer. Então, nós vamos vender uma energia elétrica muito mais barata que a atual para a Eletrobras e a Ande, nossos clientes no Brasil e no Paraguai, respectivamente, o que vai beneficiar os consumidores brasileiros e paraguaios", afirmou o diretor-geral brasileiro. No entanto, ele ressalvou que a redução da tarifa de energia é uma decisão binacional.

Segundo o general Ferreira, a eventual redução da tarifa não vai interferir na continuidade das obras estruturantes patrocinadas pela Itaipu na região de influência, uma vez que os recursos destinados a essas construções são provenientes dos custos de exploração, que permitem o funcionamento da usina hidrelétrica e os investimentos na região, e não dos custos da dívida. "Vamos continuar investindo em obras estruturantes e ambientais na nossa área de influência. É uma obrigação nossa".

Ele destacou que as obras estruturantes, como a Ponte da Integração Brasil-Paraguai (já 70% concluída), a Perimetral Leste, a modernização e ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Foz, a duplicação da Rodovia das Cataratas, entre outras, vão levar Foz do Iguaçu e região a um novo patamar econômico e social. Somados, os investimentos chegam a R$ 2,5 bilhões, com a criação de cerca de 2.500 empregos.

De acordo com ele, desde 2019 o país vem sofrendo com a crise hídrica, que se aprofundou em 2021, com a maior estiagem em 70 anos. "Isso impacta não apenas Itaipu, mas as demais hidrelétricas do País", resumiu. O diretor explicou que a empresa tem feito a sua parte para ajudar o país a superar a crise hídrica, por meio de um aproveitamento melhor da água na produção de energia, sempre em conformidade com as orientações do Operador Nacional do Sistema (ONS), órgão vinculado ao Ministério de Minas e Energia (MME), responsável por organizar o sistema interligado nacional.

Ferreira comentou ainda que o motivo por ter aceitado a missão de dirigir Itaipu foi saber que já havia sido feito um planejamento muito bem estruturado por seu antecessor, o general Joaquim Silva e Luna, atualmente à frente da Petrobras. "O que estamos fazendo, não fazemos sozinhos. Conto com o apoio de cinco diretores e de um corpo de empregados altamente dedicado à empresa, para que os projetos sejam implantados da melhor maneira possível."
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.