Brasil supera Paraguai em Assunção e mantém 100% nas Eliminatórias da Copa

A seleção brasileira encerrou os dias de turbulência fora de campo, causada pela decisão de realizar a Copa América no País, com 100% de aproveitamento dentro de campo. Venceu o Paraguai de forma contundente por 2 a 0, no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, e chegou aos 18 pontos nas Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar, em 2022.

 
Com a sexta vitória seguida nas Eliminatórias, a seleção brasileira igualou a marca das Eliminatórias da Copa de 1970 – venceu na época todas as seis partidas que disputou. E voltou a bater os paraguaios em Assunção em jogo válido pela fase prévia do Mundial depois de 35 anos. Em 1985, havia ganho por 2 a 0. Depois foram dois empates e duas derrotas. 



 
Tite fez algumas mudanças na escalação em relação à partida com o Equador e também na maneira de o time jogar. Manteve os dois volantes, Casemiro e Fred, mas abriu Gabriel Jesus – que o técnico colocou no time no lugar de Gabriel – pela direita, Richarlison pela esquerda e deu a Neymar e a Firmino a função de mesclar o posicionamento na área com o recuo para jogar atrás do atacantes e construir as jogadas.

 
O Paraguai, por sua vez, montou um esquema bastante defensivo. Fechava-se às vezes com cinco zagueiros e três jogadores posicionados como volantes.

O problema para os paraguaios é que Neymar, centralizado e com liberdade de movimentação por grande faixa do campo, organizava a seleção brasileira e ainda confundia o sistema de marcação.

No primeiro ataque, o Brasil fez 1 a 0. Danilo tocou para Gabriel Jesus, que cruzou da direita, Richarlison não alcançou, mas a bola sobrou para Neymar, na cara do goleiro, marcar. Foi o 11º gol de Neymar em Eliminatórias (18 jogos), igualando-se a Romário (8 partidas) e Zico (11 jogos).

 
A vantagem construída com 3 minutos do jogo, deu a tranquilidade que o time precisava. Logo em seguida, Gabriel Jesus teve boa chance, mas foi travado. O Paraguai respondeu com uma bomba de fora da área de Alderete, aos 7 minutos. Ederson, que substituiu Alisson, fez grande defesa, espalmando a bola para escanteio.

Apesar de o Paraguai estar bem fechado, o Brasil continuava a encontrar espaços principalmente a partir da movimentação de Neymar. Às vezes, ele recuava até o meio de campo para buscar jogo. Numa dessas ocasiões, sofreu falta violenta de Gustavo Gómez – o palmeirense levou cartão amarelo. Outra boa opção era pelos lados do campo.

 
A seleção controlava o jogo, pressionava o Paraguai em seu campo, mas corria risco nas bolas esticadas pelo time da casa. Dessa maneira, Rojas conseguiu uma boa jogada aos 23 minutos, avançou e serviu Almirón. Para alívio do Brasil, o chute desviou em Militão e a bola saiu para escanteio.

Mas a seleção estava mais perto do gol. Aos 33, em cobrança de falta ensaiada, Neymar errou por pouco o gol de Antony Silva. Aos 46, Richarlison até marcou após ser lançado em velocidade e bater forte, cruzado. Mas o gol não foi validado, pois o atacante estava impedido, o que foi confirmado pelo VAR.

Na etapa final, a seleção voltou com Lucas Paquetá no lugar de Fred, que havia levado cartão amarelo no primeiro tempo – foi o segundo em duas partidas e ele está suspenso da partida contra o Chile, em setembro.

O Brasil manteve o domínio, teve duas boas chances em lançamentos para Gabriel Jesus, a zaga desviou em ambas as ocasiões o passe final, e uma cabeçada de Marquinhos que saiu rente à trave nos dez primeiros minutos. Aos 18, numa bola roubada por Gabriel Jesus, Neymar foi lançado, invadiu a área e bateu cruzado, errando por pouco.

A equipe continuava com bom volume de jogo, rondava bastante a área paraguaia, mas tinha dificuldade para concluir as jogadas. Pouco depois da metade do segundo tempo, Tite, percebendo que o adversário estava tentando se soltar e ser mais ofensivo, resolveu se precaver. Tirou Firmino e colocou o volante Douglas Luiz. Pouco depois, renovou o fôlego do ataque com as entradas de Everton Cebolinha e Gabriel.

 
Só que o Paraguai passou a dominar o jogo e a empurrar o Brasil para trás. Aos 41, Espínola conseguiu concluir de dentro da área, livre, mas Ederson defendeu. Logo depois, Neymar, de falta, voltou a errar por pouco. Mas, aos 48 minutos, o craque deu belo passe para Paquetá, que só teve o trabalho de bater rasteiro, consciente, fora do alcance do goleiro. Estava garantida a sexta vitória brasileira.

FICHA TÉCNICA:

PARAGUAI 0 x 2 BRASIL

PARAGUAI – Antony Silva; Rojas (Espínola), Gustavo Gómez, Alderete e Júnior Alonso; Gastón Giménez (Ávalos), Ángel Cardoso (Bareiro), Villasanti (Oscar Romero), Arzamendia e Almirón; Ángel Romero (Samudio). Técnico: Eduardo Berizzo.

BRASIL – Ederson; Danilo, Eder Militão, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro, Fred (Paquetá) e Firmino (Douglas Luiz); Gabriel Jesus (Gabriel), Neymar e Richarlison (Everton Cebolinha). Técnico: Tite.

GOLS – Neymar, aos 3 minutos do primeiro tempo. Paquetá, aos 48 minutos do segundo tempo.

 
CARTÕES AMARELOS – Gómez, Fred, Gabriel Jesus, Barreiro, Júnior Alonso, Alderete.

ÁRBITRO – Patricio Losteau (ARG).

RENDA E PÚBLICO – Jogo sem torcida.

LOCAL – Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!