Corinthians só empata com São Bento, devendo futebol na volta à Neo Química Arena

A diretoria do Corinthians terá de repensar seriamente o planejamento de não gastar na contratação de reforços para 2021. Ou pode pagar caro no fim do ano. Depois de um falso início de temporada, com bons resultados, o futebol carente é cada mais evidente e começa a se transformar em tropeços. Depois de derrota para a Ferroviária, quarta-feira, jogou muito mal e acabou apenas empatando, na sexta-feira, (16), diante do frágil São Bento, por 1 a 1, na volta à Neo Química Arena.

 
Após 40 dias sem atuar em seu estádio por causa das medidas de combate à covid-19 na capital paulista, a expectativa era de uma grande apresentação e a reabilitação no Paulistão, após perda de invencibilidade em Araraquara. Mas os planos não deram certos e o time teve de se contentar com um pontinho apenas. A virada não veio para repetir aquele 2 a 1 na Ponte Preta, no último jogo em casa, dia 7 de março.  
  
  
 
Jogar mal já virou comum no 2021 corintiano. Foi assim diante do Red Bull Bragantino, São Caetano, Mirassol, Retrô e Guarani…, desempenhos mascarados com o resultado positivo. Três vitórias magras, empate e avanço contra os pernambucanos nos pênaltis na Copa do Brasil e estreia sem gols em Bragança com o rival sendo o favorito.

 
Depois de perder a invencibilidade de 10 partidas levando virada diante da Ferroviária, com dois gols no fim por falta de atenção, a ordem era não repetir o apagão de Araraquara. Com os titulares de volta e um rival na zona de rebaixamento, a expectativa era a melhor possível.

Poucos minutos, porém, lá estava o time de Sorocaba festejando a abertura do placar. O lateral Gabriel saiu da defesa sem ser “incomodado”. Passou por diversos marcadores e acertou no canto de Cássio. Pintura dedicada com muita emoção ao pai, seu incentivador, falecido faz um ano.

Com menos de 15 minutos, o técnico Vagner Mancini já berrava à beira do campo pedindo para o Corinthians “entrar no jogo”. O futebol apresentado era o mesmo de tantos outros jogos no ano: nenhuma técnica, um punhado de passes errados, nervosismo e dificuldade em criar boa chance de gol.

 
Sem ganhar de ninguém no Paulistão até então, o São Bento se sentia em casa em Itaquera. Marcava bem e ainda explorava ótimos contragolpes. Pecava, porém na hora de ampliar. Do lado corintiano, os meninos Vitinho, Kauê e Rodrigo Varanda mostravam nervosismo com o resultado adverso. E os mais experientes não ajudavam.

Com seus homens da frente apáticos e recebendo bronca a todo momento, coube a Gabriel e Gil tentarem empatar o jogo. Com chutes do volante ou cabeçadas do zagueiro. Um futebol pobre e merecido 1 a 0 para os visitantes no primeiro tempo.

Os péssimos 45 minutos irritaram demais o técnico corintiano que mandou seus reservas aquecerem antes de a etapa terminar. O Corinthians foi preguiçoso na frente e frouxo na marcação, dando muitos espaços. Estivesse com público em Itaquera e a vaia seria ensurdecedora após vexatória primeira etapa.

 
Mancini sacrificou os três meninos para aumentar a experiência com Otero, Luan e Jô já na volta do intervalo. Precisava se impor e assustar um oponente até ali sossegado. De cara, duas chances de gols criadas.

O passar do tempo, entretanto, era um inimigo a mais em campo. Mesmo jogando o tempo todo no campo de ataque, faltava inspiração e qualidade e os chuveirinhos eram a única saída. Mas não davam em nada. Até o volante Alan Dias, infantilmente, colocar a mão na bola numa disputa com Jô pelo alto. Pênalti marcado e empate com cobrança de Fábio Santos.

O 1 a 1 prevaleceu até o fim e até saiu barato ao Corinthians. O tropeço gigante poderia ser ainda maior não fosse defesa difícil de Cássio no fim. A tentativa de reação foi adiada para domingo, às 22 horas, diante do Ituano, também na Neo Química Arena.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 1 X 1 SÃO BENTO

CORINTHIANS – Cássio; Fagner, Bruno Mendez, Gil e Fábio Santos; Gabriel (Léo Natel), Cantillo e Vitinho (Luan); Rodrigo Varanda (Otero), Gustavo Mosquito (Gustavo Pereira) e Kauê (Jô). Técnico – Vagner Mancini.

 
SÃO BENTO – Luiz Daniel; Gabriel, Bruno Leonardo, Dirceu e Pablo; Serginho, Allan Dias (Júlio Rusch) e Diego Tavares (Leilson); Daniel Costa (Fábio Bahia); Ítalo (Geovane Itinga) e Mateus Santos (Ruan). Técnico – Edson Vieira.

GOLS – Gabriel, aos 7 minutos do primeiro tempo; Fábio Santos (pênalti), aos 31 do segundo.

CARTÃO AMARELO – Nenhum.

ÁRBITRO – Thiago Duarte Peixoto.

LOCAL – Neo Química Arena.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!