Foto: Flickr/Ministério da Saúde

Covid-19: Ministro admite preocupação com fornecimento de vacinas para 2ᵃ dose

Durante sessão da comissão do Senado, nesta segunda-feira (26), para discutir medidas contra a Covid-19, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga admitiu que há "dificuldade" no fornecimento de vacinas da Coronavac aos estados para aplicação da segunda dose.

 

 

 

 

"Tem nos causado certa preocupação a CoronaVac, a segunda dose. Tem sido um pedido de governadores, de prefeitos, porque, se os senhores lembram, cerca de um mês atrás se liberou as segundas doses para que se aplicassem.

 

 

 

 

 

E agora, em face de retardo de insumo vindo da China para o Butantan, há uma dificuldade com essa 2ᵃ dose", explicou o ministro.

 

 

 

Em 21 de março, dois dias antes da posse de Queiroga, o Ministério da Saúde alterou a orientação aos estados e autorizou que todas as vacinas armazenadas para a segunda dose fossem utilizadas imediatamente para a primeira.

 

 

 

O objetivo era iniciar a imunização de um número maior de pessoas.

 

 

 

Diante dessa orientação, diversos estados precisaram paralisar suas campanhas de vacinação.

 

 

 

 

Um dos casos mais preocupantes é de Maceió, capital de Alagoas, que suspendeu a aplicação da segunda dose da Coronavac no último domingo (25) por falta de doses.

 

 

 

O ministro afirmou que a orientação sobre o armazenamento de vacinas será alterada e o governo emitirá uma "nota técnica acerca desse tema".

 

 

 

Paralização na vacinação e mais recordes.

 

 

 

O problema com a aplicação da segunda dose da Coronavac acontece no momento que o Brasil bate recordes negativos em relação a pandemia.

 

 

 

 

No último domingo, o país ultrapassou a marca dos 390 mil mortos pela doença.

 

 

 

Após os números do último final de semana, o Brasil registrou mais mortes por Covid-19 em 4 meses de 2021 do que em todo o ano de 2020.

 

 

 

"O número de óbitos no ano de 2021 hoje supera o número de óbitos que ocorreu no ano de 2020 inteiro, mostrando a gravidade dessa doença e a necessidade de adoção de medidas que sejam eficazes para vencermos essa situação grave na saúde pública nacional", disse Queiroga.

 

 

 

Diante desse cenário, o ministro voltou a falar da importância das medidas que ele chama de "não farmacológicas", como o uso de máscara e o distanciamento social.

Com Informações da  TV Cultura

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!