Estudo mostra diferença na eficiência de diversos modelos de máscara

Um estudo do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP), publicado no Aerosol Science and Technology, mostra que diferentes máscaras utilizadas no Brasil têm uma diferença relevante de eficácia.

Na pesquisa, foram usados 227 tipos de máscara comercializados no país. Como resultado, foi observado que o modelo PFF2 é o mais seguro, e retém aproximadamente 98% das partículas, enquanto as máscaras cirúrgicas tem a capacidade de reter 89% delas. As máscaras de TNT ficam em terceiro lugar, com uma eficácia que varia de 78% à 87%. A eficiência das máscaras de tecido, muitas vezes feitas à mão, pode variar de 15% até 70%.

No Laboratório de Física Atmosférica da USP, os pesquisadores utilizaram partículas de tamanho semelhante às do novo coronavírus, e analisaram a capacidade de retenção do material utilizado para cada máscara.

Principal autor do estudo, o físico Fernando Morais disse que, "embora algumas máscaras sejam mais eficientes do que outras, o uso de máscaras é essencial, qualquer que seja."
 
 

Com informação da TV Cultura e Catve

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!