Foto: Reuters/Santiago Arcos

Fluminense arranca empate com Junior Barranquilla no Equador e mantém ponta de seu grupo

Em um jogo pegado, tenso e com arbitragem confusa, o Fluminense saiu com um ponto de Guayaquil, no Equador, ao arrancar um empate por 1 a 1 com o Junior Barranquilla na noite de quinta-feira (06). No duelo da terceira rodada da fase de grupos da Libertadores, o time tricolor não foi bem tecnicamente, mas, mesmo cansado pela saga para chegar ao local da partida depois de ter viajado à Colômbia, compensou na luta em campo e evitou o revés fora de casa.

 
No Equador, para onde o jogo foi remarcado em razão dos protestos contra o governo na Colômbia, o Fluminense enfrentou um oponente duro e reclamou muito de um pênalti bastante discutível que o juiz chileno assinalou a favor dos colombianos no começo do jogo. No fim, pelo contexto e também em termos de classificação, o resultado teve gosto de vitória. 



 
Isso porque a equipe carioca foi beneficiada pelo empate sem gols do River Plate com o Santa Fe e continua dividindo a liderança do Grupo D da Libertadores com o time argentino. Ambos somam cinco pontos. Ainda sem vencer no torneio, o Junior Barranquilla tem dois e se complicou na chave.

 
O jogo em Guayaquil teve clima de guerra, muita tensão e pouca técnica, especialmente no primeiro tempo, em que os dois times mais brigaram do que jogaram. O Fluminense ficou muito nervoso depois que o árbitro chileno Julio Bascuñán marcou pênalti aos oito minutos. No lance, Kayky tocou apenas a bola, Fuentes se atirou e o juiz considerou falta. Na cobrança, Borja, ex-Palmeiras, bateu com força e abriu o placar.

Os jogadores da equipe tricolor sentiram o gol e se irritaram com a confusa e polêmica arbitragem. Nervoso, o Fluminense teve dificuldade para criar, mas chegou ao empate na bola aérea. Após escanteio da direita, a bola foi desviada na primeira trave por Luccas Claro e sobrou para o jovem Kayky, bem colocado, dominar e mandar para as redes aos 19 minutos.

 
O empate saiu em um momento oportuno, já que os visitantes estavam inseguros e não conseguiam se encontrar na partida. Depois do gol, encaixaram a marcação e passaram a ter mais tranquilidade para sair ao ataque. Num duelo pegado, os experientes ajudaram os jovens a se acalmarem.

Um dos mais rodados, Nenê assustou em cobrança de falta por cima do gol. Depois disso, houve pouco jogo e um festival de cartões amarelos e discussões recorrentes com o árbitro, que perdera o controle do duelo.

No segundo tempo, os dois times melhoraram a produção ofensiva, mas não foram eficientes. Jogador mais perigoso do Junior Barranquilla, Borja quase balançou as redes de novo no início da etapa final, mas Marcos Felipe impediu o gol. O Flu respondeu com Fred, que cabeceou com força para a defesa de Viera. Na sequência, os colombianos assustaram com Pajoy, que finalizou com capricho de canhota buscando o cantinho do gol e viu a bolar sair por pouco.

 
O jogo ficou franco, com chances para os dois lados. Roger lançou Cazares, Bobadilla, Gabriel Teixeira e Caio Paulista a fim de oxigenar a equipe, mas o Fluminense não tinha mais pernas para atacar. Os jogadores sentiram demais o cansaço depois de ter chegado ao Equador apenas de madrugada, mas foram guerreiros para segurar o empate e sair de Guayaquil com um ponto.

Antes de voltar a pensar na Libertadores, o Fluminense tem compromisso pelo Carioca. No domingo, às 16h, o time tricolor encara a Portuguesa, pelo jogo de volta das semifinais. Pelo torneio continental, o próximo adversário é o Santa Fe, terça-feira, às 21h, no Maracanã.

FICHA TÉCNICA

JUNIOR BARRANQUILLA 1 X 1 FLUMINENSE

JUNIOR BARRANQUILLA – Viera; Viáfara, Rosero, Martínez e Fuentes (Velasco); Vásquez, Moreno e Hinestroza; Pajoy (Berdugo), Cetré (Piedrahita) e Borja. Técnico: Luis Perea.

FLUMINENSE – Marcos Felipe; Calegari, Nino, Luccas Claro e Danilo Barcelos; Martinelli, Yago Felipe (Wellington) e Nenê (Cazares); Kayky (Gabriel Teixeira), Luiz Henrique (Caio Paulista) e Fred (Bobadilla). Técnico: Roger Machado.

 
GOLS – Borja, aos dez, e Kayky, aos 19 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO – Julio Bascuñán (Chile)

CARTÕES AMARELOS – Nino, Nenê, Danilo Barcelos, Viera, Borja e Martínez

PÚBLICO E RENDA – Jogo sem torcida.

LOCAL – Estádio Monumental Banco Pichincha, em Guayaquil, no Equador.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!