Fluminense sobra, vence o River na Argentina e avança às oitavas em 1º do grupo

Depois de uma sequência negativa de resultados que deixou o elenco pressionado, o Fluminense reagiu, derrotou o River Plate por 3 a 1 com autoridade em Buenos Aires e se classificou às oitavas de final da Libertadores como líder do Grupo D. No Monumental de Núñez, Caio Paulista, Nenê e Yago marcaram os gols da justa e importante vitória diante de um rival ainda desmantelado pela covid-19 e que balançou as redes com Girotti.

 
O Fluminense avançou em primeiro da chave com 11 pontos. O River Plate fechou a primeira fase com nove pontos e também garantiu uma vaga no mata-mata, mas teve mais sorte do que juízo, já que só se classificou porque o Junior Barranquilla apenas empatou sem gols com o Santa Fe no Equador e perdeu a oportunidade de ir às oitavas. 


 
Para conseguir um triunfo que parecia improvável, mesmo diante dos vários desfalques do time argentino por covid-19, o Fluminense fez não só o seu melhor primeiro tempo na Libertadores, mas em toda a temporada 2021. E isso graças às alterações na escalação promovidas pelo técnico Roger Machado.

 
Pressionado e alvo de constantes críticas, o treinador resolveu mexer nas peças e lançou mão de Samuel Xavier e Egídio nas laterais e Caio Paulista e Gabriel Teixeira no ataque. Certamente ficou contente com o que viu. O time, que antes sofria muito para criar e em grande partes das partidas na temporada saia perdendo no primeiro tempo, teve outra postura nesta terça. Defendeu-se bem, foi organizado, teve intensidade e foi agressivo na frente, algo que vinha faltando nos jogos anteriores.

A postura deu resultado. Depois de incomodar o goleiro Armani no começo, o time tricolor marcou dois gols em sete minutos e ficou em situação confortável muito graças à qualidade de Fred. O goleador, acostumado a balançar as redes, atacou de garçom e deu um bolão para Caio Paulista abrir o placar aos 21.

 
Depois, aos 28, o camisa 9 lançou Nenê na esquerda. O meio-campista esperou a bola quicar e bateu de primeira, contando com o desvio no meio do caminho para ampliar. Fred tem quatro gols e duas assistências na competição, o que reforça sua importância para a equipe. Ele foi eleito o craque da partida pela Conmebol.

Na volta do intervalo, Marcelo Gallardo colocou Rojas, Palavecino e Matías Suárez, jogadores que se recuperaram da covid-19 recentemente e por isso começaram a partida no banco. O River melhorou, começou a incomodar mais o Flu, mas esteve longe de ser aquele time temido que foi campeão continental duas vezes nos últimos anos e que sempre chega ao mata-mata com sobras.

 
Os argentinos ficaram com um a menos depois da expulsão de Maidana, que acertou o cotovelo em Caio Paulista aos 21 minutos. Insatisfeito e com medo de ser eliminado, Gallardo mandou mais um atacante a campo, o jovem Girotti. Ele colocou fogo na partida ao diminuir o placar aos 39, se antecipando a Luccas Claro e desviando para o gol.

O empate, e muito menos a virada, não vieram, porém. Bem postado, o Fluminense se armou na defensa e conseguiu o contra-ataque fatal que tanto vinha procurando. Aproveitando a superioridade numérica e os espaços deixados pelo rival, os cariocas selaram o triunfo com gol de Yago. O volante recebeu de Abel Hernández dentro da área e tocou com categoria no canto de Armani.

Fim de um jogo que pode ser considerado histórico para o Fluminense, que se igualou a Cruzeiro e Palmeiras como os únicos brasileiros na história da Libertadores a vencerem Boca Juniors e River Plate na Argentina.

FICHA TÉCNICA:

RIVER PLATE 1 X 3 FLUMINENSE

RIVER PLATE – Armani; Lecanda (Rojas), Maidana, Martínez e Casco; Felipe Peña, Simón (Matias Suárez) Carrascal (Palavecino) e De La Cruz; Álvarez e Borre (Girotti). Técnico: Marcelo Gallardo.

 
FLUMINENSE – Marcos Felipe; Samuel Xavier (Calegari), Nino, Luccas Claro e Egídio; Martinelli (Wellington), Yago e Nenê (Cazares); Caio Paulista (Luiz Henrique), Gabriel Teixeira e Fred (Abel Hernández). Técnico: Roger Machado.

GOLS – Caio Paulista, aos 21, e Nenê, aos 28 minutos do primeiro tempo. Girotti, aos 39, e Yago, aos 46 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Esteban Ostojich (Uruguai)

CARTÕES AMARELOS – Martínez, Samuel Xavier, Matías Suárez, Caio Paulista, Martinelli, De La Cruz

CARTÃO VERMELHO – Maidana

LOCAL – Monumental de Núñez, em Buenos Aires, Argentina.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!