Habeas Corpus do acusado de matar João Alberto no Carrefour é negado

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido de Habeas Corpus a um dos seguranças presos pela morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos que foi espancado até a morte em uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre (RS). O crime ocorreu em 19 de novembro de 2020, véspera do Dia da Consciência Negra.

Carmém Lúcia afirmou que o STF não pode conceder a medida antes da análise do mérito nas instâncias anteriores, o Superior Tribunal de Justiça e o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

No pedido de HC, a defesa alega que a prisão preventiva do ex-policial militar Giovane Gaspar da Silva carece de fundamentação. Ele está preso desde novembro e responde ao lado de outras cinco pessoas por homicídio triplamente qualificado com dolo eventual contra a vítima.

Na ocasião, João Alberto foi agredido por dois homens brancos depois de uma discussão no estabelecimento. Em vídeos, os agressores aparecem desferindo socos no rosto da vítima e tentam imobilizá-la no chão. Paramédicos do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegaram a prestar socorro, mas João não resistiu aos ferimentos.

com informaçaõ da Catve e TV Cultura.

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!