Nova Ferroeste: Toledo mobiliza sociedade na busca de inclusão de terminal

Os modais de transporte são essenciais para o desenvolvimento econômico. Em função do anúncio de investimentos na Nova Ferroeste, com extensão até Maracaju, no Mato Grosso do Sul, Toledo organizou um encontro para apresentar as potencialidades e aproveitar melhor o traçado da nova ferrovia que passará pela região. O projeto logístico e as vantagens do novo modal foi apresentado a representantes de entidades organizadas, lideranças políticas e empresários nesta quarta-feira (28).

O prefeito Beto Lunitti reforçou a necessidade de unir essas forças em prol de ampliar os modais de transporte, oferecendo formas mais rápidas e modernas de deslocamento de cargas, gerando retorno econômico para a microrregião. "Vamos trabalhar para demonstrar a relevância de um terminal de transbordo. Temos grandes empreendimentos, o setor produtivo é muito forte. As discussões realizadas aqui hoje servirão de embasamento para o convencimento aos investidores que aqui a ferrovia trará retorno, temos o ambiente propício", frisou.

Entre as lideranças estaduais e locais a viabilidade da implantação de um terminal de transbordo é bastante clara. A unidade das diversas cooperativas e empresas, além da sociedade organizada por meio de instituições representativas, já demonstraram a importância de aproveitar melhor a estrutura ferroviária que vai passar pela microrregião. O secretário estadual, Marcel Micheletto, citou a maturidade apresentada ao estado durante as discussões sobre o modelo de exploração do pedágio. "A minha ida ao governo foi para tratativas de assuntos estratégicos para o oeste. Não tem nenhum lugar nesse país que irá crescer tanto no Brasil quanto nossa microrregião", frisou.

Viabilidade técnica

Segundo dados apresentados pelo o coordenador de Concessões e Parcerias Público Privadas da Secretaria Estadual de Planejamento, Luiz Henrique Fagundes, a Nova Ferroeste vai beneficiar nove milhões de pessoas, do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, impactando 425 cidades no Brasil, 114 no Paraguai e 38 na Argentina. A expectativa de redução no custo logístico é de U$ 13,00 por tonelada com o transporte pela rodovia. "Trouxe essas informações porque vocês precisam ser nossos parceiros. São estes dados que demonstram a importância da construção. Queremos chegar nas audiências públicas e ver o oeste defender a proposta. A organização de vocês, aqui motivada pelo prefeito Beto Lunitti, demonstra o pioneirismo e o empreendedorismo. Orgulho de ter a chance de ouvir e aprender com vocês".

Aproveitar esse modal de forma abrangente foi o mote da reunião. Um dos representantes da BRF, o diretor da Unidade de Toledo, Fábio Loch, destacou a importância do encontro. "É um momento extraordinário e temos que agradecer ao [prefeito] Beto Lunitti por proporcionar essa discussão". O diretor de Agropecuária Regional da empresa, Vilto Meurer, destacou o potencial e a vocação da região para o agronegócio. "Toledo é uma das principais unidades e vamos aumentar a demanda de ração, com aumento da escala de produção, pois a demanda por proteína cresce. A organização da classe política aqui tem sido exemplo para outras regiões. Estamos pensando no futuro, não só desta gestão, mas de um legado para daqui duas ou três décadas. A região merece essa estrutura de transbordo, vai acelerar o crescimento da região. Toda a energia seja colocada nesse assunto, isso muda muito a velocidade de projeção do futuro do agronegócio", disse.

O presidente da Prati Donaduzzi, Eder Mafissoni, agradeceu a oportunidade de participar do evento. Segundo ele, Toledo se destaca nos negócios, não somente no agronegócio. Segundo Mafissoni, o Brasil tem aproximadamente 120 laboratórios que produzem medicamentos genéricos e a Prati é responsável por 20% deste volume. "Nos consolidamos neste segmento. O Brasil consome 50 bilhões de doses de genéricos todos os anos. Nosso plano de crescimento está calcado no mercado internacional e já exportamos nutracêuticos para os Estados Unidos, mas temos uma pretensão ainda maior: queremos ser referência em nível global em medicamentos genéricos. Já para o ano que vem, buscaremos ser o primeiro laboratório brasileiro a ter uma certificação FDA (Food and Drug Administration) para exportação de medicamentos genéricos. Nosso plano é exportar para os EUA já a partir dos próximos anos e em médio prazo, cinco anos aproximadamente, queremos chegar a mais de 50 países".

Ainda se manifestaram favoráveis o representante da Associação Comercial e Empresarial de Toledo (ACIT), Claudenir Machado, a representante do Conselho de Desenvolvimento de Toledo e da CACIOPAR, Anaide Holzbach de Araújo e o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, Rainer Zielasko.

Todas as informações coletadas serão incluídas no estudo técnico em prol da ferrovia e seu impacto. "Tudo que nos foi passado demonstra o quanto vocês precisam de uma logística eficiente. Nossa obrigação agora, enquanto grupo de trabalho, é reunir todas essas informações de forma documental e apresentarmos junto aos investidores e eles conhecerão as potencialidades. Quantas vezes for necessário estaremos aqui para aprofundar essa discussão", finalizou o presidente da Ferroeste, André Gonçalves.

À tarde foi reservada para visita a duas estruturas. A comitiva visitou o canteiro de obras da Frimesa, em Assis Chateaubriand, e do Biopark, em Toledo.

Com informação da Catve

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!