Renato Gaúcho comenta saída do Grêmio: ‘Ouvi coisas de uma pessoa e não gostei’

A saída do Grêmio, onde estava trabalhando desde 2016, após a eliminação na terceira fase preliminar da Copa Libertadores para o Independiente Del Valle, do Equador, em meados de abril, ainda é uma lembrança viva para o técnico Renato Gaúcho. Em entrevista ao SporTV na noite de segunda-feira, ele falou sobre sua demissão do clube gaúcho.

 
“Muitas coisas foram faladas depois que o Grêmio foi eliminado do jogo da pré-Libertadores. Eu estava ainda me recuperando da covid-19 e ouvi certas coisas de uma pessoa. Não vale a pena comentar, mas eu não gostei. Aí eu fui dormir. No dia seguinte, tocou o telefone. Era a minha esposa. E ela falou assim: arruma as malas e vem embora. Todo ciclo tem um início, meio e fim”, disse. 


 
Apesar de Renato Gaúcho ter mostrado descontentamento com um membro do clube, ele preferiu não citar o nome. “E aí me deu um estalo. Realmente, quatro anos e sete meses e eu não vou ficar aqui escutando umas coisas de uma pessoa que não faz nada pelo clube, não entende nada e fala um monte de besteira. Aí minha ficha caiu. E mais ou menos pela 1 hora (da tarde) o presidente me ligou. Eu falei: ‘presidente, eu sei que vocês estavam em uma reunião, mas, independente da reunião, deixa eu falar uma coisa: eu já arrumei a minha mala'”, contou antes de completar.

 
“Estou indo embora porque eu acho que na vida as pessoas têm que ter respeito pelas outras. Principalmente ídolos. E no momento que você tem uma pessoa no clube que não faz nada, pelo contrário, atrapalha, eu não vou ficar batendo boca com ninguém. Estou de malas prontas. Ninguém vai mudar minha opinião, independente da de vocês. Já marquei minha passagem e estou indo embora. Eu sempre tive uma amizade, uma linha direta com o Romildo (Bolzan Júnior) nesse tempo todo”, concluiu.

Renato Gaúcho ainda esclareceu como era a sua relação com o presidente do Grêmio. “Todas as decisões que eram tomadas eu tomava diretamente com o presidente. Sempre procuramos tomar as melhores decisões para o clube. E foi assim que nesse tempo conquistamos os títulos. Então acho que a maior prova disso é que na véspera da minha viagem, quando já estava recuperado da covid-19, o presidente Romildo foi me visitar no hotel e chorou bastante, eu assinei algumas camisas para ele. Eu chorei também. Até porque não jogamos fora quatro anos e sete meses assim. Foi um grande trabalho, de muitas conquistas e eu fiquei muito feliz com a despedida da torcida. Vou mandar um abraço especial para a Geral do Grêmio”, explicou.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!