Sylvinho chega ao Corinthians para superar desconfiança da torcida

Sylvinho desembarcará no Brasil na manhã desta terça-feira (25), para assumir o comando do Corinthians com uma montanha de desafios para superar. A começar pela desconfiança do torcedor, que já estava impaciente com o futebol da equipe nos últimos tempos e agora vê chegar um técnico com pouca experiência. A diretoria parece fazer uma aposta a longo prazo, já que acertou contrato até dezembro de 2022.

 
O novo treinador alvinegro estava morando em Portugal desde que deixou o Lyon, da França, em 2019, a única equipe que foi técnico efetivo. Antes disso, trabalhou somente como auxiliar. Pesa a favor de Sylvinho a identificação com a Fiel dos tempos que era jogador. Revelação da base, atuou com a camisa alvinegra entre 1995 e 1999. Foi fundamental nas conquistas do Campeonato Brasileiro (1998), Copa do Brasil (1995) e de três Paulistas (1995, 1997 e 1999). 


 
Agora, Sylvinho precisa se firmar como técnico. No Lyon foram somente 11 jogos, com três vitórias, quatro empates e três derrotas, aproveitamento de 39,4%. Para se ter ideia de como foi curto o período dele no time francês, mesmo com o Corinthians fora da segunda fase da Copa Sul-Americana e sem a Libertadores para disputar, ao mais tardar no início de julho o treinador já terá igualado o número de partidas que fez no Lyon.

 
Sylvinho ainda não deve estrear na partida de quarta-feira, em casa, contra o River Plate, do Paraguai, pelo torneio continental. Afinal, mal terá tido tempo para conhecer os atletas e a competição não vale mais nada para o clube. O primeiro jogo no banco de reservas deverá ser no domingo, contra o Atlético-GO, pela rodada inaugural do Campeonato Brasileiro.

Sem tempo para trabalhar a equipe, o novo treinador terá que fazer os jogadores entenderem sua filosofia durante as competições. Ele pegará uma equipe ainda em formação, que passou por muitos testes ao longo do ano e ainda não se encontrou.

 
SEM REFORÇOS – Com o endividamento do Corinthians na casa de R$ 1 bilhão, Sylvinho sabe que não contará com grandes reforços. Para diminuir a folha salarial, o clube mais se desfez do que contratou neste ano. E pode continuar assim. O zagueiro Jemerson, um dos poucos destaques do atual elenco, tem contrato só até junho.

Vagner Mancini, seu antecessor, havia iniciado o processo de mudança no time aproveitando a base. Foram mais de 15 jovens jogadores que tiveram oportunidade no profissional. Alguns nomes se mostraram promissores, como os zagueiros Raul Gustavo e João Victor. Outros, os torcedores já começaram a pegar no pé, como o meio-campista Roni e o centroavante Cauê.

 
Não bastasse cuidar dos garotos, Sylvinho terá também de tentar recuperar os veteranos. O zagueiro Gil e o atacante Jô, ambos fora de forma desde o início do ano, perderam espaço na equipe. O lateral-esquerdo Fabio Santos também teve queda de rendimento quando aumentou a sequência de jogos.

Antes de decidir assumir o Corinthians, Sylvinho muito provavelmente conversou com Vagner Mancini e tem ideia das dificuldades que irá encontrar. O primeiro trabalho de Sylvinho como auxiliar foi com Mancini, em 2011, no Cruzeiro. Eles seguiram parceiros no ano seguinte, no Sport. A dupla se desfez em 2013, quando Sylvinho foi contratado pelo Corinthians para ser auxiliar. No ano seguinte, acertou com a Inter de Milão para fazer a mesma função, só que ao lado do treinador Roberto Mancini.

A identificação com Tite nos tempos de Corinthians o levou para a seleção brasileira, em 2016. Lá permaneceu até 2019, quando aceitou o desafio de assumir o primeiro clube como técnico efetivo, o Lyon. A experiência não foi boa, ainda mais se for levado em conta que, logo após a sua saída, o time deslanchou e chegou a semifinal da Liga dos Campeões daquela temporada.

PLANO C – Sylvinho não chega como unanimidade entre os dirigentes do Corinthians. E sabe que não era a primeira opção. Antes a diretoria recebeu um não de Renato Gaúcho e outro de Diego Aguirre. O acerto, no entanto, foi sacramentado rapidamente, no final de semana. Diferente da tentativa anterior.

 
Em 2016, o clube era presidido por Roberto de Andrade e tentou a contratação de Sylvinho, que vivia na Europa. Na ocasião, ele preferiu seguir em Portugal para terminar os cursos de técnico da Uefa. Seis anos depois, o acerto aconteceu. Em um momento mais conturbado, mas com Sylvinho um pouco mais experiente. A torcida do Corinthians ele conhece bem. E se ganhar a confiança dela, o resto fica muito mais fácil.

com informação Agência Estado

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!