Trabalho de estudante sobre sintomas da Covid-19 é premiado em congresso internacional

Um trabalho apresentado pela estudante Raquel Cunha Manço da Silva, do 2° ano do curso de Fisioterapia do CCS (Centro de Ciências da Saúde) da UEL, é um dos cinco premiados no 8° Congresso Internacional em Saúde.

O evento aconteceu no formato remoto e teve um total de 980 trabalhos inscritos de diversas áreas da saúde.

O estudo intitulado "Sintomas persistentes relatados pelos residentes de Londrina infectados pela Sars-Cov2: antes e após um mês do seu diagnóstico" foi desenvolvido com dados parciais do projeto de pesquisa "Avaliação clínica funcional e qualidade de vida de pacientes após 1, 2, 6 e 12 meses do diagnóstico de infecção por Sars-CoV-2 no município de Londrina". Este projeto é desenvolvido desde outubro de 2020, sob coordenação da professora Celita Salmaso Trelha, do Departamento de Fisioterapia, do Centro de Ciências da Saúde.

Raquel Cunha ingressou no projeto para aprender mais sobre a Covid-19. "É muito gratificante participar e ver que como nosso trabalho está sendo recompensando, como progredir pessoal e profissionalmente", afirmou a estudante, que não esperava a premiação.
Por meio de questionário, o projeto de pesquisa coletou informações de pacientes após 30, 60 e 180 dias do diagnóstico da Covid-19, para identificar os sintomas ainda presentes.
Na primeira etapa, foram analisados 1.215 pacientes que responderam ao questionário após 30 dias, com média de idade de 35 anos.

Apenas 32,2% não relataram sintomas após o período. Já os demais pacientes informaram ter os seguintes sintomas persistentes: fadiga (27,9%), perda de olfato (19,8%), cefaleia (18,8%), desânimo (17,1%), dores musculares (15,7%) e perda de paladar (13,9%), tosse (13%), e dispneia (10%).

Após 60 dias de diagnóstico, 503 pacientes responderam ao questionário, com média de idade de 35 anos. Do total, 58,1% relataram sintomas persistentes. Dentre os mais comuns estavam fadiga (24.9%), desânimo (17,5%), perda de olfato (17,3%), cefaleia (14,1%) e dor no corpo (13,3%). Dos 76 pacientes que responderam após 180 dias, 67,1% relataram ter sintomas persistentes, entre eles fadiga (25%), desânimo (17,5%), cefaleia (10,5%). Nesta terceira etapa, a média de idade foi de 34 anos.

Em setembro será iniciada a coleta após 12 meses.

Com informação da AEN-PR

Todo o conteúdo do site Marechal News não pode ser reproduzido sem autorização prévia. A reprodução total ou parcial, poderá sofrer sanções sob pena de lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Portanto, os conteúdos das páginas deste site, não podem ser copiadas, reproduzidas, transferidas, publicadas ou distribuidas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou modo, sem a prévia autorização. Seja um parceiro, envie um e-mail solicitando o uso do nosso conteúdo de texto, imagem ou vídeo. Obrigado!