Bike Refran
Ortocolchões
Sandras Publi
Casa da cuca
JR color
Banner Yamaha
FarmaVidda
Policial

Briga em Ji-Paraná termina com três homens mortos

Três homens morreram após uma briga na Rua Amapá, bairro São Francisco, em Ji-Paraná, Rondônia.

Segundo a Polícia Militar, a Central de Operações recebeu várias ligações informando sobre uma briga generalizada e que quatro homens estavam armados no local. Imediatamente, as guarnições se deslocaram para o endereço e ao chegarem se depararam com os três baleados.

Um dos jovens foi alvejado com três disparos, mas morreu pouco depois, na sala de cirurgia. As outras duas vítimas foram encontradas caída, já sem vida.

Próximo ao corpo os militares localizaram uma pistola calibre 380, com uma munição intacta presa na câmara e vários cartuchos deflagrados. A vítima segurava uma barra de ferro na mão direita. De acordo com a perícia, o outro rapaz morreu com vários tiros.

Já com o outro baleado, foi localizado um carregador da pistola municiado e uma porção de Maconha. A perícia informou que ele levou várias facadas e pauladas na cabeça. Ainda no local, a polícia apreendeu uma motocicleta que um deles estava conduzindo e ao lado deste veículo foi encontrado um par de chinelos feminino e uma fralda de pano.

Briga generalizada

Testemunhas afirmaram à Polícia que uma das vítimas se envolveu em uma discussão com um outro homem que estava conduzindo uma motocicleta, de cor vermelha. Durante a briga, este homem acabou saindo correndo do local e retornou em seguida empunhando uma pistola.

Neste momento, o filho da vítima entrou na frente do pai e implorou para irem embora, porém o homem começou a atirar, atingindo pai e filho.

Outras pessoas se envolveram na confusão e uma briga generalizada teve início.

A polícia realizou várias diligências para capturar o possível atirador, mas não conseguiu. Pelos vestígios que a cena do crime foi encontrada, a Polícia acredita que durante a briga, em deles tentou ajudar o atirador e acabou morrendo esfaqueado por outras pessoas.

A Polícia Civil investiga o caso.

Com informação da CGN e Rondônia Agora

TOPO